Share |
Anterior

28/03/2013

Protegendo a Vida na Amazônia


Projeto de educação ambiental realizados nas comunidades ribeirinhas do Vale do Rio Uatumâ
Número de horas: 4,0 horas
Empresa: Tetra Pak
Facilitador: Marcus Fattor
Estado: PA
Cidade: Belém
Secretaria de Ensino: Não Espeficicado
Educadores Relacionados: Nenhum Educador Relacionado
Instituições Relacionadas: Nenhuma Instituição Relacionada

----

Índice


1. Atividades desenvolvidas

No dia 25 de março deu-se início a I OFICINA PARA PROFESSORES DO VALE DO UATUMÃ nos municípios de Urucará, São Sebastião do Uatumã, Itapiranga e Silves, através do projeto “PROTEGENDO A VIDA NA AMAZÔNIA – Peixe-boi, educar para preservar”, em parceria com a Tetra Pak e a Fundação Nacional de Proteção e Defesa Animal - FNPDA, com saída do Porto da Morena - Vila de Balbina.

Visando a capacitação dos professores para trabalhar os temas propostos como Educação Ambiental humanitária em bem estar animal, mamíferos aquáticos da Amazônia e Educação ambiental e biodiversidade.

Os professores foram escolhidos pela secretaria de educação de cada município, estes receberam o material do curso que estava composto por uma bolsa de material reciclado, uma agenda do educador, um guia do professor, uma cartilha do peixe-boi, um folder sobre o projeto protegendo a vida na Amazônia, um folder sobre posse responsável, um folder silvestre não é pet, uma caneta reciclada da Tetra Pak e um gibi sobre o peixe-boi da Amazônia, uma história de conservação.

1.1 Município de Urucará

O primeiro município a receber a equipe foi Urucará, onde durante dois dias 27 e 28 de março de 2013 foram ministrados sobres o temas acima citados, na Escola Municipal Felisbela Paes de Oliveira.

No dia 27 foi realizado a abertura e estiveram presentes algumas autoridades como a presença da Secretária de Educação Cliucive dos Santos Azedo e o Secretario de meio Ambiente Romoaldo Vicente Alves Filho, Coordenadora de Educação de campo Girlane Libório e a Gestora Maria do Socorro Couto da Silva que acompanharam a abertura da oficina com algumas palavras dos mesmos e acompanharam a execução do hino nacional cantado por aves.

Após a abertura houve a distribuição do material a ser utilizado na oficina, em seguida deu-se inicio o ciclo de palestras que foi na seguinte ordem: Manhã a gerente de educação Elisabeth Mac Gregor do FNDPA que esteve com o tema Senciência, à tarde ela continuou com o tema de bem estar animal e em seguida os mamíferos aquáticos com a educadora ambiental Tânia Sicsú do CPPMA.

Elizabeth fez uma breve introdução sobre o Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal – FNPDA e em seguida falou sobre Senciência que trata do estudo dos sentimentos dos animais, expondo cientificamente que os animais possuem sentimentos, mostrando a tese de cientistas e frases de filósofos que acreditavam neste conceito. Falou sobre a neurociência e mostrou através de figuras a área pré frontal que é responsável pelos sentimentos, sendo semelhantes em cães, gatos, chimpanzé e humanos.

Pela parte da tarde houve outra palestra com a gerente de educação Elizabeth retratando o tema de Bem estar animal, onde foi explicado que para um animal viver bem ele necessita ter uma condição mental boa, sem medo, estresse e outros, com uma condição física favorável, livre de doenças e lesões podendo expressar o seu comportamento natural com outros animais.

O surgimento das 5 liberdades também foi o tema abordado citando-as, são elas: Livre de fome e sede; livre de dor, lesões ou doenças, livre de desconforto, livre de medo e estresse e livre para expressar seu comportamento natural. Os animais necessitam de uma alimentação adequada, abrigo, vacinação, cuidados com a saúde e carinho.

Dentro deste tema foi abordado sobre os animais de produção que sofrem ao estarem condenados a viver em gaiolas, grades, baias apertadas e com superlotação. Mostrou os animais que são utilizados para entretenimento, tanto os animais de rodeio quanto os animais de circo e zoológicos mostrando o real sofrimento em que estes animais são submetidos para trazerem diversão aos homens.

Ao final foram passados alguns vídeos sobre animais seres sencientes e silvestre não é pet exibindo os temas acima citados.

Em seguida a palestra sobre os Mamíferos Aquáticos foi exposto pela educadora ambiental Tânia, fazendo uma breve introdução sobre as características dos mamíferos em geral, dentição e tipos de alimentação.

Na palestra os alunos puderam conhecer quais são os 5 mamíferos aquáticos da Amazônia: o peixe-boi, a ariranha, a lontra, o boto vermelho e o tucuxi.

O peixe-boi da Amazônia tem o nome cientifico de Trichechus inunguis, que significa sem unhas, o que difere do peixe-boi marinho, assim como seu tamanho e peso. É um animal exclusivamente aquático, ocorre exclusivamente nos rios da bacia amazônica e é um dos menores peixes-bois do mundo.

Pode alcançar um comprimento de 3m e pesar 450 Kg, quando filhotes mamam em suas mães e quando adultos são totalmente herbívoros, alimentam-se basicamente de macrófitas, chegando a consumir 10% do seu peso por dia. Apresentam lábios preênseis que são utilizados para apreender o seu alimento e após serem ingeridos levam 7 dias para serem digeridos. Por haver um grande desgaste dos dentes devido a sua alimentação pode haver a queda de alguns dentes, mas há uma formação continua da dentição que evita que o animal fique sem dente, substituindo-os.

Suas nadadeiras são arredondadas e em formato de remo, possuem uma pele de coloração escura variando do cinza escuro ao preto, apresenta uma mancha na barriga com coloração que varia do branco à pintas totalmente pretas, servindo de impressão digital por serem diferentes em cada individuo.

Sua audição é excelente, podendo ouvir longas distâncias, sua visão é capaz de distinguir cores, tamanhos e formas. Ao comunicar-se esses animais emitem sons chamados de vocalização, as mães reconhecem seus filhotes pela vocalização emitida.

Cada fêmea tem uma gestação 11meses produzindo apenas 1 filhote. Durante o período de 2 anos o filhote é amamentado e demonstra total dependência da mãe. Os nascimento coincidem com a cheia que vai de dezembro a junho, e apresentam maior disponibilidade de alimentos.

Em relação a sua importância ecológica foi mostrado a importância deste animal ao meio ambiente através de desenhos que formam a cadeia alimentar.

O peixe-boi consome as plantas aquáticas, há a entrada de luz solar, após o consumo há a liberação de fezes e urinas que irão adubar as plantas e servir de alimentos para o fitoplânctons, que servirão de alimentação para os zooplânctons, que alimentarão os pequenos peixes, e servirão de alimentos para outros animais. Se não houver peixes-bois nos rios as plantas se multiplicariam, não entraria a luz solar, não haverá adubo e alimentação para fitoplânctons (não haveria fotossíntese) e zooplânctons, que não haverá alimentação para os peixes, consequentemente os animais que dependem deste alimento morreriam de fome.

Em seguida foram apresentado as características dos outros mamíferos aquáticos, relatando suas características físicas, tamanho, peso, seus habitats, alimentação, gestação. Demonstrando através de áudio a forma de comunicação de cada animal, também chamados de vocalização.

A ariranha que possui o nome científico de Pteronura brasilienses, é o maior membro da família Mustelidae, é um animal semi aquático e que pode pesar até 35kg um animal adulto. Seu corpo comprido possui uma calda longa e achatada dorso-ventralmente, seu pelo é marrom escuro e podem viver em grupos de até 12 indivíduos.

Habitam rios e igarapés de água preta e branca, assim como o peixe-boi a ariranha possui uma mancha irregular pardo- amarelada no pescoço e peito, podendo variar de tamanho. Cada individuo apresenta uma mancha exclusiva. Possuem membrana interdigital em suas patas, que ajudam no nado.

São territorialistas e moram em tocas escavadas nos barrancos, sua dieta é quase inteiramente de peixes. Sua comunicação é através da vocalização, estudos mostram a identificação de 9 tipos diferentes de vocalização.

Sua gestação tem a duração de 65 a 72 dias, sendo uma ninhada por ano, onde podem haver o nascimento de até 5 indivíduos.

A lontra conhecida também como lontrinha tem o nome cientifico de Lontra longicaudis, pode medir até 1,4m pesando 12Kg. Possui a pelagem de cor marrom escuro no dorso e mais claro na região ventral, sendo de dupla camada. Diferente da ariranha não possui a mancha no pescoço, a cauda termina em ponta e é levemente achatada dorso-ventralmente, apresentam membrana interdigital, habitam praticamente todos os tipos de ambientes aquáticos e sua dieta é mais variada, podendo ser peixes e crustáceos. È um animal silencioso e tímido e solitários em seus hábitos.

O boto vermelho também conhecido na região como o boto cor-de-rosa tem o nome de Inia geoffrensis, é o maior golfinho de água doce do mundo, os machos podem atingir até 2,5m pesando 180Kg e as fêmeas são menores apresentando o tamanho de 2,0 m e pesando 100Kg. Apresentam um bico longo, olhos pequenos e uma testa saliente chamado de melão, tendo sua dieta inteiramente de peixes.

O tucuxi é um dos menores golfinho do mundo, podendo medir 1,5m e pesar 53Kg. Na região dorsal ele é cinza escuro e na região ventral apresenta uma coloração que varia do cinza claro ao rosado.

Estes golfinhos habitam os principais rios e lagos da bacia amazônica, alimentam-se de peixe e podem viver em grupos de até 10 indivíduos.

Em seguida foi falado sobre o habitat que esses animais compartilham em comum, a água. Mostrando a importância em ser preservada e conservada, pois nós também dependemos dela. Após a palestra foi passado duas reportagens em formato de vídeo sobre o trabalho feito pelo Centro de Pesquisa e Proteção dos Mamíferos Aquáticos – CPPMA/ Balbina.

Foi mostrada a cartilha conheça o peixe-boi da Amazônia que contem todas as informações sobre o anima, onde fala sobre as características do animal, alimentação, importância ecológica, os sentidos, como se comportam na natureza, como se reproduzem e outras curiosidades sobre o peixe-boi da Amazônia. Também foi pedido que eles fizessem uma leitura no guia do professor, onde fala sobre os 5 mamíferos aquáticos da Amazônia, alguns conceitos importantes a serem tratados em sala de aula e as lâminas que servirão de estratégias lúdicas para o aprendizado do aluno.

No dia seguinte 28 de março de 2013, no período da manha foi realizado a palestra com Janayna Galvão de Araújo educadora ambiental da empresa Noolhar, onde foi exposto numa breve introdução sobre a empresa Tetra Pak e o trabalho realizado pela empresa. Expondo a sua iniciativa em prol do meio ambiente demonstrando a responsabilidade sócio ambiental da empresa que foi explorado através do vídeo institucional do diretor de meio ambiente o Sr. Fernando Von Zuben.

O projeto cultura ambiental nas escolas e outras iniciativas como o apoio ao projeto “Protegendo a vida na Amazônia”, foram apresentados de modo a considerar o publico envolvido. Foram abordados durante a apresentação alguns conceitos relevantes quando se trata de educação ambiental como: Ecologia; Habitat; Fauna; Flora; Biodiversidade; Conservação; Preservação; Extinção; Ecossistema e Desenvolvimento sustentável, esses conceitos foram abordados conforme conteúdo exposto no guia do professor.

A questão da água foi abordada demonstrando sua importância para a humanidade, observando as principais preocupações das populações ribeirinhas em relação ao acesso com qualidade tanto para as pessoas que habitam a região como para os organismos aquáticos que dependem que este recurso seja considerado de modo a atender as necessidades de cada um. Neste sentido, a problemática do lixo também foi um assunto bastante comentado durante a apresentação, expondo sobre os resíduos sólidos, suas formas de tratamento (Aterro sanitário, incineração e compostagem), a reciclagem e coleta seletiva, demonstrando os tipos de materiais (metal, vidro, papel e plásticos) e como estes resíduos podem contribuir para a redução do volume de lixo nos municípios, servindo também como matéria prima para a reciclagem.

Outro momento da apresentação abordou sobre a educação para a sustentabilidade lançando primeiramente a pergunta “Qual seu papel para a educação ambiental?” buscando orientar o educador a cerca desse conteúdo, nesta ocasião, foi comentado sobre a relação dos termos meio ambiente, cidadania e educação, exemplificando a relação existente, enfatizando a importante contribuição de cada ser humano como agente transformador de sua própria realidade, além disso, foi abordado sobre as expectativas esperadas em relação ao assunto, sobre a contribuição da escolas e dos educadores nesse processo.

Buscou-se incentivar as práticas educativas voltadas para uma abordagem de maneira transversal, explicando como essas atividades podem ser realizadas no espaço escolar, demonstrando ideias de trabalho de campo, oportunidades educativas e inserção do conceito “glocal” (pensar globalmente e agir localmente) para se trabalhar um conteúdo dinâmico que interaja também com a comunidade envolvida. A rota da reciclagem também foi exposta com intuito de incentivar os participantes a desenvolverem seus projetos pedagógicos preocupados com a questão dos resíduos sólidos identificando as cooperativas locais para a identificação de pontos de coleta seletiva.

O processo de reciclagem foi comentado exemplificando a reciclagem da embalagem longa vida e quais materiais podem ser produzidos a partir da embalagem como telhas, vassouras, canetas, papel e ouros produtos uteis. Ao final da exposição os envolvidos eram convidados a confeccionar papel artesanal como uma iniciativa interativa para realizar com seus respectivos alunos, além disso, os professores foram convidados a realizada uma atividade lúdica de pintura das bolsas adquiridas, observando as imagens expostas e discutindo sobre elas para responder novamente a pergunta realizada anteriormente, verificando se houve alguma transformação nas opiniões dos educadores.

Após a palestra foi exemplificado a forma de reaproveitamento do papel para a reciclagem. Após o intervalo teve inicio a palestra com o tema de Educação ambiental com Elizabeth relatando as leis de crimes ambientais, dos crimes contra a fauna, as leis federais, estaduais e municipais de proteção animal, as leis de educação ambiental, Lei nº. 6.938/81 – Política Nacional de Meio Ambiente que inclui a educação ambiental em todos os níveis de ensino, mostra o programa nacional de educação ambiental (PRONEA) que está composto por três componentes: a capacitação de gestores e educadores; o desenvolvimento de ações educativas; o desenvolvimento de instrumentos e metodologias.

Dentro do tema proposto a gerente de educação falou sobre o programa de educação ambiental humanitária em bem - estar animal, onde foi relatado a crueldade com animais, estudos psicológicos demonstrando uma correlação entre crueldade contra animais na infância e na adolescência e posterior criminalidade, circulo da violência também esteve incluso, enfatizando estudos que afirmam que a crueldade infantil com os animais é um indicador potencial de relações familiares problemáticas e futuro comportamento antissocial e agressivo. Foi realizado a seguinte pergunta: como mudar a violência e a crueldade para compaixão e respeito? Obedecendo as leis que protege os direitos dos animais, campanhas de conscientização, projetos de campo e educação, mostrando os valores e conhecimentos. A educação humanitária pode contribuir muito para o sistema educativo, inserindo a responsabilidade cidadã, estimulando ao pensamento crítico, o desenvolvimento sustentável, o conhecimento científico, os princípios éticos e a cultura de não violência. Ao retornarem pelo período da tarde foi sugerido aos professores a colorir suas bolsas, atividade já inclusa no cronograma.

Foi explorado o guia do professor, que contia informações sobre os mamíferos aquáticos que serão utilizados para a elaboração das aulas com os temas abordados, contendo alguns conceitos importantes para serem utilizados em sala de aula, como animais de estimação, doméstico, domesticado, silvestre, entre outros.

Com o guia do professor em mãos os professores puderam acompanhar as atividades elaboradas, que servirão de apoio e inspiração para a criação de novas atividades em sala de aula e até aulas externas.

Estas atividades tem por nome lâminas, onde são estratégias lúdicas que levarão ao aluno a aprender com mais facilidade sobre os animais. Assim a lâmina 1 tem como o tema: Animais silvestres e de estimação, que tem como objetivos: estudar o habitat natural de alguns animais; associar os animais silvestres ao lugar onde vivem; expressar sentimentos de solidariedade com liberdade dos animais silvestres; ensinar que alguns animais não podem ser animais de estimação e fortalecer o senso de responsabilidade sobre os animais. Foi sugerido aos professores que estimulem os seus alunos a falar, relatar ou desenhar quais os animais que podem ser utilizados como animais de estimação, mostrando a diferença dos animais domésticos e silvestres, falando sobre as leis que proíbem a criação de animais silvestres como domésticos. Relatar a importância em escolher adequadamente o animal para criar, levando em conta a posse responsável.

Na lâmina 2 os animais em seu habitat natural tem como objetivo: estudar o habitat natural de alguns animais; associar os animais silvestres ao lugar onde vivem; ensinar as características dos animais importantes para a natureza; observar as características dos diferentes ecossistemas; observar as relações entre os diferentes ecossistemas.

Foi sugerido aos alunos a descreverem a figura que está no guia, observando a maneira própria de viver de cada animal, sua alimentação, reprodução e os predadores. Mostrar qual a diferença entre terra firme e várzea, lagos temporários e permanentes, relatando que cada animal necessita de um tipo de ambiente.

Nesta lâmina foi elaborado uma atividade externa, onde o professor pode levar seus alunos a uma excursão na própria comunidade e observar os animais, depois conversarem sobre o que viram de animais, podendo também inserir a problemática do lixo, verificando se encontraram lixo, quais os tipos de lixo, onde apresentava mais lixo se na terra firme ou nos rios e o que pode acarretar se estes ambientes forem contaminados pela poluição.

A lâmina 3 apresenta o tema as pessoas e os animais tem o direito a um ambiente saudável, com objetivos de ensinar o direito das pessoas e dos animais a um ambiente saudável; ensinar a cuidar do lixo para que não vire problema. Descrever e observar o tempo de decomposição de alguns componentes do lixo, identificando os orgânicos e não orgânicos. O perigo da extinção é o tema da lâmina 4, tendo como objetivo levar as crianças a perceberem o que é extinção; identificar as causas de extinção das espécies; reconhecer as consequências da extinção de espécie; realizar uma lista de espécies ameaçadas; reconhecer a importância da preservação das espécies.

Foi exposto varias foto de diversos animais em ambiente poluído e o pode acarretar a estes seres vivos.

Um vídeo complementando as informações obtidas sobre o peixe-boi da Amazônia, utilizado para fixar o que foi visto na palestra.

Em seguida foi realizado uma dinâmica onde os professores puderam apresentar um teatro como tema O tribunal dos bichos, material cedido pela gerente de educação FNDPA, onde conta uma fábula em defesa dos animais. Os bichos se reúnem num tribunal para decidir o que fazer em relação aos humanos. Muitos testemunhos e argumentos são apresentados: alguns a favor dos humanos, outros, contra. A última testemunha chamada é um humano, que diz ser a humanidade vítima dela mesma.

No fim da tarde houve o encerramento das atividades no município, onde contou com a presença das autoridades como o Vice-prefeito Evandro Guimarães, a secretária chefe de gabinete Olinda Guimarães representando a 1ª dama do município Sr. Neuza Felipe, a Secretária de Educação Cleucivane marques, o Secretario de meio Ambiente Romualdo Vicente Alves, o secretário de saúde Ananias Cristo, o secretário de obras e transporte Arnaldo Macedo e o secretário de produção e abastecimento Cícero Coelho fizeram a entrega dos certificados e das camisas que contém o nome de educador. No total houve a participação de 103 professores da rede municipal de ensino.

1.2 Município de São Sebastião do Uatumã

No dia 1 e 2 de Abril teve início a oficina para professores em São Sebastião do Uatumã, na Escola estadual Fernando Ramos de Miranda, sob a gestão do diretor Walkinho Zuani Prestes, que também participou do curso.

A abertura do curso foi feito pela Elizabeth, onde participaram algumas autoridades do município como o Secretário Municipal de Educação Edenísio Garcia, o Coordenador Municipal de Educação Dário Carvalho da Silva e o Coordenador Estadual de Educação Francisco Araújo e participaram da execução do hino nacional feitos com sons de aves. Depois da abertura houve a entrega do material aos professores. Em seguida teve inicio as palestras com a Elizabeth que apresentou o tema Senciência que levou a manhã toda. No período da tarde teve a continuação da palestra sobre bem estar animal e após o intervalo houve o tema mamíferos aquáticos da Amazônia.

No segundo dia a Janayna iniciou falando sobre a apresentação da empresa Treta Pak, e a problemática do lixo. Após o intervalo Elizabeth veio expor para conhecimento dos professores as leis que amparam a obrigatoriedade do uso da educação nas escolas pelo ministério da educação e a educação humanitária.

Ao retornarem do intervalo foi explicado o guia do professor que será utilizado como base para as atividades lúdicas sobre os mamíferos aquáticos. Neste guia há as 4 lâminas que servem para estimular os professores a elaborarem outras atividades com seus alunos. Não necessariamente precisam estar presos a esta atividade descrita.

No final do curso houve uma dinâmica, onde os professores se reuniam conforme o ano de atuação. Onde os temas abordados serviriam de base para elaboração de atividades para a melhoria do aprendizado do aluno. Ao final um representante de cada grupo expusera o que elaboraram para os outro grupos e para os palestrantes. Em paralelo a apresentação alguns professores estiveram colorindo as bolsas.

Ao final houve o encerramento das atividades na presença de algumas autoridades do município como o Secretário Municipal de Educação, O Coordenador municipal de Educação, o Coordenador estadual de Educação e o Gestor da escola, todos com os nomes citados acima fizeram a entrega do certificado mais a camiseta do projeto protegendo a vida na Amazônia com o nome de Educador. Mostrando que todos estavam capacitados para desenvolverem as atividades.

No total houve a participação de 90 professores.

1.3 Município de Itapiranga

Em 3 e 4 de abril o curso foi iniciado em Itapiranga, no centro cultural do SEMAS. Na abertura houve a presença do secretário de Educação José Melquias Josedec Santos e da Secretária de Assistência Social Lucilene Almeida, foram dados boas vindas aos alunos e agradeceram a presença da equipe ao estar promovendo este curso no município. Após a abertura a Elizabeth entro com a palestra sobre serem Sencientes e após o intervalo entrou com o tema de bem estar animal.

No período da tarde houve somente a palestra sobre os mamíferos Aquáticos da Amazônia com a veterinária Tânia.

No dia seguinte houve a palestra com Elizabeth sobre a educação Ambiental e após o intervalo houve a palestra com a representante da empresa Treta Pak a Janayna relatando sobre a problemática do lixo e a importância em se conservar os ambientes aquáticos, tanto para os animais quanto para nos que necessitamos dela para sobreviver.

Após o intervalo que foi de 15 min. os professores retornaram para dar continuidade aos assuntos, que foi descrito e explorado o guia do professor, que juntos puderam acompanhar as atividades elaboradas para estimular o aluno a conhecer mais sobre os animais e seus habitats, além de mostrar a importância em não retirá-lo da natureza para se tornarem domesticados, fazendo assim a escolha certa para se criar um animal.

À tarde houve a dinâmica em grupo, onde os alunos puderam colocar em prática como devem ser elaboradas as atividades para serem utilizadas no aprendizado dos alunos e levando o conhecimento a comunidade. Depois foi escolhido um representante de cada equipe para que fossem expostos o que o grupo elaborou. Diversas ideias foram mostradas para trabalhar com os alunos, mas o que mais chamou a atenção dos professores foi à posse responsável e o bem estar que os animais necessitam para viverem com dignidade.

O encerramento se deu com a presença do Secretário de Educação com o nome citado acima, que ajudou na entrega dos certificados e camisetas.

No total houveram a participação de 98 professores.

1.4 Município de Silves

Nos dias 5 e 6 de abril aconteceu a oficina para professores em Silves. Onde contou com a participação de autoridades como o presidente da câmara Pelcy de Oliveira Lira, o Secretário de meio ambiente Delfino Andrade, o vereador Gutemberg Batista de Amaral, a secretária de educação Graciete neves da Silva e a gestora Tatiana Viana Neves da Escola Municipal José Vieira da Rocha.

Onde na abertura cada um teve a oportunidade de se expressar e dar um recado aos professores participantes.

Em seguida foi dado inicio ao ciclo de palestras, começando com seres sencientes com Elizabeth pela manha, no inicio da tarde falou sobre bem estar animal até o intervalo das 16h, em seguida Janayna entrou para falar sobre a empresa Tetra pak e o trabalho de reciclagem feito com caixinhas longa vida, que pode ser fabricado telhas, vassouras, carteiras, canetas e outros. Não foi possível o término da palestra então no dia seguinte pela manhã a palestrante deu continuidade ao seu assunto.

Depois veio os mamíferos aquáticos, a palestra trouxe o conhecimento sobre os animais aquáticos como peixe-boi, ariranha, lontra, boto vermelho e o tucuxi onde os professores tiveram a oportunidade de aprender sobre estes animai. Por se tratar de uma área de intensa caça ao peixe-boi, foi falado sobre a lei que proíbe a matança e o consumo da carne e também o perigo em estar consumindo a carne de animais silvestres.

Ao final foi mostrado dois vídeos complementares que mostram o trabalho do CCPMA em Balbina através de uma matéria exibida em rede nacional e um vídeo complementar sobre o peixe-boi, utilizando como forma de fixação do assunto abordado.

A cartilha do peixe-boi junto com o folder do projeto protegendo a vida na Amazônia, o gibi peixe-boi, uma história de conservação e o guia do professor foram citados para a leitura complementar para o conhecimento sobre o projeto e os animais, e como fonte para elaboração e atuação de trabalhos relacionados aos temas expostos.

Ao final da oficina a Secretária de Educação e a gestora da escola José Vieira da Rocha, junto com o vereador participante do curso Mábio Viana Neves fizeram a entrega dos certificados e camisetas aos concluintes do curso.

Foram 73 professores capacitados neste município.

2. Conclusão

Ao levar o conhecimento aos 364 professores, estamos capacitando -os para que levem o aprendizado aos seus alunos e implantem nesta geração, que os animais tem direito a viverem livre no seu habitat. É difícil mudar a mentalidade de uma cultura, mais um novo começo pode ser implantado, começando pelo futuro da nação, as crianças. Este é o papel desses professores capacitados, mostrar o que pode ser feito para melhoria do meio ambiente e como com a ajuda da população ajudar a salvar estas espécies que estão ameaçadas a desaparecer devido à intensa caça, ensinando a fazerem a melhor escolha para se ter um animal. Mostrando que quem nasceu livre deve continuar livre. Além de cuidar dos animais devemos preservar e conservar os ambientes em que vivem, pois sem estes ambientes como irão sobreviver, procriar, ensinar seus filhotes, enfim como irão realizar a sua importância ao meio ambiente. Os animais são seres vivos e merecem o respeito e o cuidado de todos.Então façamos a escolha certa sem prejudica- lós.

Participe você também!
Para dar sua sugestão sobre o site, solicitar informações e tirar suas dúvidas, entre em contato com a Tetra Pak aqui.




Anterior