Share |
15/02/2015

Instalações para Jogos Olímpicos se baseiam em critérios de sustentabilidade

Alana Gandra
EBC

As instalações que sediarão os Jogos Olímpicos de 2016 foram planejadas e estão sendo construídas de acordo com parâmetros de sustentabilidade como economia e racionalização de água e energia, segundo informou a assessoria de imprensa da Empresa Olímpica Municipal (EOM). Dados recentes divulgados pelo Comitê Rio 2016 mostram que os 1.774 banheiros temporários que serão instalados, por exemplo, terão equipamentos que vão economizar 230 milhões de litros de água durante os jogos, o que equivale a economia de quase R$ 2 milhões.

Outro exemplo de atendimento a critérios de sustentabilidade é a Ilha Pura, também chamada Vila dos Atletas - bairro planejado, em construção na Barra da Tijuca, que hospedará atletas, paratletas e equipes técnicas nas Olimpíadas, e onde as medidas de economia de água ficarão como legado para os posteriores moradores do condomínio.

O diretor-geral da Ilha Pura, Maurício Cruz Lopes, informou hoje (9) que a Vila dos Atletas é composta de 31 prédios, divididos em sete condomínios, com 3.604 apartamentos de dois, três e quatro quartos, com área que varia de 77 metros quadrados (m²) a 230 m². Ele destacou que durante as Paralimpíadas será ocupada apenas parte dos apartamentos, dos quais 800 têm banheiros preparados para uso de paratletas cadeirantes.

Diversas ações e frentes de trabalho visam à garantia de sustentabilidade, disse. Para redução do consumo de água, a Vila dos Atletas apresenta, na fase de construção, um vestiário com capacidade para 9 mil pessoas, no qual a chamada água cinza, oriunda de chuveiros e torneiras, é tratada. “Construímos uma estação de tratamento de águas cinzas anexa aos vestiários, e essa água retorna para todos os vasos sanitários”, explicou.

O excedente é usado para umedecer as pistas que ainda são em terra e para lavar equipamentos. “Isso dá uma redução muito grande no consumo durante a fase de obras”. A economia de água, durante a construção da Vila dos Atletas, equivale ao consumo total mensal de dez famílias. A estação produz, aproximadamente, 1.200 metros cúbicos (m³) de água por mês.

Na central de concreto, cuja capacidade totaliza 400 mil m³ de concreto e para cuja produção são necessários mais de 200 mil m³ de água, vem sendo utilizada água reciclada, que retorna para a central. O diretor-geral da Vila dos Atletas salientou que está sendo construída também uma estação de tratamento de águas cinzas para o bairro, que também vai receber água de torneiras e chuveiros dos apartamentos. Essa água cinza vai retornar para os vasos sanitários de todos os apartamentos. O excedente dessa água será tratado e irá irrigar toda a área verde do condomínio, além de completar a água dos lagos, que somam mais de 8 mil m² de espelho d'água. “O somatório da água que será economizada durante a vida útil do projeto mais a água poupada durante a construção vai dar uma economia de cerca de 40% do consumo de água potável”, disse Lopes.

Em termos de economia de energia, foi feito um projeto que priorizou o revestimento dos prédios com material cerâmico de cores e tons claros, atendendo a estudo que identificou que esse material reflete a luz do sol e aquece menos os apartamentos, gerando menor consumo de ar condicionado. O mesmo tratamento foi dado em relação aos vidros, que são semi-reflexivos. Ou seja, eles deixam passar o máximo de iluminação possível e, ao mesmo tempo, refletem e filtram os raios solares, fazendo com que os apartamentos tenham menor temperatura.

Também o posicionamento das torres foi definido de modo a haver menor temperatura dentro das unidades habitacionais. Além disso, em todas as áreas comuns a opção foi fazer telhados verdes. A intenção é que os apartamentos do último pavimento tenham temperatura semelhante à de um apartamento de qualquer outro andar e consumam menos energia. Nas áreas comuns, estão sendo colocadas lâmpadas LED, de menor consumo, e sistemas de painéis para aquecimento de água, o que propicia economia de aquecedores a gás. No parque comum a todos haverá pontos para carga de bicicletas e carros elétricos. Lopes ressaltou que “a ideia é que no balanço do consumo de energia, os veículos elétricos sejam mais eficientes que os movidos a gasolina, álcool ou diesel”.

A previsão é que a Vila dos Atletas seja entregue ao Comitê Olímpico no dia 1º de março de 2016, para ser preparada para as Olimpíadas, e no primeiro semestre de 2017, os apartamentos começarão a ser entregues a seus compradores.