Share |
18/06/2015

Comunidades do Pará recebem purificador de água movido a energia solar

Redação CicloVivo
Ciclo Vivo

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) doou à Prefeitura de Santarém (PA) duas unidades de um purificador de água capaz de desinfetar águas poluídas de rios. A instalação dos equipamentos aconteceu entre 17 e 22 de maio, beneficiando mais de 30 famílias.

O Água Box é movido a energia solar e as unidades foram cedidas para serem instaladas nas comunidades de Jatobá, localizada na área de proteção ambiental de Alter do Chão, e outra localizada na Bacia do Rio Arapiuns.

O coordenador do Núcleo de Apoio à Pesquisa no Pará, Jorge Ivan Rebelo Porto, informou que o Água Box também será implantado em outras comunidades de Santarém que utilizam águas de igarapés para o consumo.

Como funciona a tecnologia

De acordo com o inventor, o pesquisador do Inpa, Roland Vetter, o purificador funciona à base de energia solar e é capaz de purificar até 400 litros de água por hora. O equipamento utiliza duas placas solares de 90 Watts cada e uma bomba que leva a água do rio para um tanque.

A água contaminada passa por um filtro e em seguida por um tubo de inox com lâmpada de raios ultravioletas, do tipo C, que elimina o DNA (Ácido Desoxirribonucleico) dos micro-organismos causadores de doenças intestinais.

"Depois desses processos, a água está potável, livre de germes e pronta para o consumo" assegura Vetter. As lâmpadas têm capacidade para funcionar durante três anos.

O aparelho foi patenteado e comercializado pela empresa QLuz EcoEnergia. O aparelho é compacto e pesa aproximadamente 13 quilos. O purificador já foi instalado em 19 comunidades do Amazonas e oito aldeias indígenas.

Do Inpa