Share |
09/08/2016

Um terço de todo alimento produzido no mundo vai para o lixo devido a imperfeições visuais

Carlos Domingos
Revista Exame

Um terço de todo alimento produzido no mundo vai para o lixo porque têm alguma imperfeição na cor, tamanho ou formato. O dado é do jornal inglês The Guardian.

No Brasil, 30% das frutas e 35% das hortaliças são descartadas por não atenderem aos rígidos padrões de beleza, segundo o Ministério da Agricultura. Isso significa, anualmente, 29 milhões de toneladas de alimentos apodrecendo em campos, alimentando gado ou depositados em aterros.

Note bem: não é comida estragada. São alimentos perfeitos para o consumo, com sabor, qualidade e nutrientes adequados, sendo desprezados só porque são…feios.

Em Portugal, onde frutas e legumes fora do padrão sofrem o mesmo preconceito, um grupo de 4 amigos resolveu agir. Em 2013, abriram a cooperativa Fruta Feia para comprar os produtos rejeitados dos agricultores e os revender pela metade do preço à população.

Se deu resultado? Basta dizer que, em menos de 3 anos, a empresa já transformou 300 toneladas de frutas e legumes em dinheiro.

Talvez a ideia fizesse ainda mais sucesso no Brasil. O País enfrenta a pior crise de sua historia. Os consumidores desapareceram dos supermercados. E o varejo espera ter queda recorde de vendas em 2016, segundo a Nielsen.

Neste cenário, alimentos com 50% de desconto certamente atrairiam de volta esses clientes. Se bem comunicada, acredito no potencial da ideia. Já existem iniciativas semelhantes aqui e no mundo, como Sans Form, do Atacadão (Brasil); Les Fruits&Légumes Moches, do Intermarchè (França) e Imperfect Produce (EUA).

Como publicitário, eu adoraria divulgar uma ação dessas com um teste cego. Afinal, quem seria capaz de identificar um legume feio numa torta ou sopa, por exemplo?