Share |
04/08/2014

Tetra Pak em parceria com cooperativas

Tetra Pak
Rio Cooperativo

A preocupação em conservar alimentos é uma constante na história. Na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial (anos 40), o abastecimento de leite ficou crítico. O fundador da empresa e criador da embalagem Tetra Pak, Ruben Rausing, desenvolveu um tipo de embalagem cartonada (papel com plástico), tetraédrica (formato de uma pirâmide), cujo processo de envase utilizava a selagem. Era o começo da caixinha longa vida. Visando a resolver os problemas de estocagem (anos 50) a caixa ganhou o formato de um paralelepípedo. Pouco a pouco foi conquistando o mundo e, hoje, faz parte dos hábitos de consumidores de mais de 150 países.

O projeto Recicoleta, criado pela Tetra Pak em 2007, visa a aumentar a coleta de embalagens longa vida pós-consumo no Estado do Rio de Janeiro. São milhares de caixas de leite, suco, massa de tomate, achocolatado e milho recolhidas por cerca de 250 cooperativas e associações de catadores no Rio de Janeiro, além do Espírito Santo e do Vale do Paraíba (SP). Desde o início do projeto já foram beneficiadas mais de 8 mil toneladas e muitos cooperados tiveram renda extra nesta parceria.

Funcionando como unidade centralizadora para receber e comercializar embalagens longa vida, o Recicoleta promove a igualdade social e melhores condições de trabalho para os profissionais envolvidos no processo de reciclagem, além de sensibilizar a população, evitando a destinação inadequada das embalagens.

Em 2013, mais de 71 mil toneladas de embalagens da Tetra Pak foram recicladas. O volume representa um incremento de 9% se comparado a 2012. Segundo Fernando von Zuben, diretor de meio ambiente da empresa, este número deve aumentar com a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

“Atualmente, 30% de toda produção segue para a reciclagem, sendo que o gargalo da cadeia está na coleta seletiva. No entanto, esta taxa dobrou de volume nos últimos dez anos. Os investimentos em programas de educação ambiental, no desenvolvimento de novas tecnologias e nas indústrias recicladoras são os principais responsáveis por esta evolução. As 35 indústrias brasileiras que reciclam embalagens longa vida geraram R$ 100 milhões em negócios em 2013”, comenta Fernando.

Participação do Rio

Destacam-se como grandes geradoras de material reciclado a Cooperativa Transformando (no Caju), CoopeRio (em Campo Grande), ONG Doe Seu Lixo (trabalha com diversas cooperativas no bairro do Santo Cristo), Padre Navarro, Cootramub (ambas em Benfica) e a Central de Triagem de Irajá.

Para o cooperado da Cooper Bella (localizada no município de Carmo), Roberto Carlos dos Santos, participar do projeto é um ganho extra. “Nossa expectativa é conseguir mais caminhões para trabalhar com volumes maiores”, destaca.

“A prefeitura doa o leite e as pessoas sabem que podem devolver as embalagens para a cooperativa que, em seguida, vende para a Tetra Pak o fardo”, conta a presidente da Cooperativa Vitória (localizada em Nova Iguaçu), Maria Francisca de Paula.

Você deve ter levado cerca de quatro minutos para ler essa reportagem. Nesse tempo foram reciclados 600kg de embalagens