Share |
06/02/2015

Itajobi é Destaque em Relatório da Secretaria de Meio Ambiente

Karla Konda
O Regional

Itajobi, cidade vizinha a Catanduva, foi destaque em publicação da Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo, na edição do “Ações Municipais para a Proteção das águas no Estado”.

O município foi citado com tema resíduo sólido, que a secretaria aponta ter o maior número de experiências municipais.

Em Itajobi foram identificadas, conforme o relatório, estratégias para a coleta e reciclagem de diversos tipos de resíduos que constituem problema para as cidades. Como da construção civil, poda de árvore, coleta de óleo de cozinha.

“Por outro lado, foram apresentadas estratégias para disposição adequada de vários resíduos perigosos como embalagens de agrotóxicos, medicamentos, pilhas e baterias”, cita.

Para evitar que o óleo de cozinha seja descartado incorretamente em pias e ralos, por exemplo, Itajobi, por meio dos Departamentos de Água e Esgoto e de Meio Ambiente (DAEI), implantou a Campanha de Olho no Óleo, que reaproveita o óleo e a gordura usados para a fabricação de biodiesel.

O público-alvo dessa ação abrange àqueles que consomem e descartam óleos e gorduras principalmente donas de casa, bares, restaurantes e refeitórios de empresas. Também são envolvidos alunos das escolas municipais. Além do ganho ambiental que beneficia os cidadãos de Itajobi, a Estação de Tratamento de Esgoto é também beneficiada com essa campanha pela melhoria no seu funcionamento. Será ainda beneficiado o Lar São Vicente de Paulo, que abriga atualmente 38 idosos, o qual receberá todo o dinheiro arrecadado na venda dos óleos e gorduras usados coletados pelo projeto.

Conforme o relatório, houve adesão e participação da comunidade que, durante o ano de 2013, depositou óleo e gordura usados em três EcoPontos distribuídos pela cidade, para depois serem vendidos à empresa de fabricação de biodiesel. Toda verba do óleo vendido foi destinada ao Lar São Vicente de Paulo que também auxilia na coleta e no gerenciamento dos EcoPontos. A Sociedade de São Vicente de Paulo mantém o Lar São Vicente de Paulo onde os idosos recebem abrigo, alimentação balanceada, acompanhamento médico, fisioterapia, dentre outras necessidades.

Quando um determinado volume de óleo usado é atingido, a empresa produtora de biodiesel é comunicada pela Diretoria do Lar São Vicente de Paulo para a retirada das bombas de óleo (galões grandes nos quais são armazenadas as garrafas e/ou os recipientes com o material). A campanha teve continuidade em 2014 com marco inicial no Dia Mundial da Água, 22 de março, e com a nova parceria do Rotary Club de Itajobi, auxiliando na divulgação e confecção dos cartazes e faixas nos antigos e novos EcoPontos. Estão funcionando atualmente mais de 13 EcoPontos de coleta na cidade, localizados em postos de abastecimento de água (cada bairro possui ao menos um posto), além de escolas e prédios públicos. Os munícipes levam óleo ou gordura usados em recipientes plásticos, como garrafa PET, que são depositados em tambores localizados no interior dos EcoPontos através de um tubo de PVC. Nas repartições públicas e escolas os tambores ficam em local acessível à população que colabora com a campanha. A retirada do óleo dos EcoPontos é feita por membros da Diretoria do Lar São Vicente de Paulo e pelo DAEI que armazenam em depósito anexo ao Lar e, posteriormente, a empresa recicladora coleta o material do município.

RESULTADOS

Em 2013 foram recolhidos e vendidos aproximadamente 1.040 litros de óleo e/ ou gordura usados, que se converteram em R$ 624,00 (R$ 0,60 centavos por litro de óleo usado) para o Lar São Vicente de Paulo, segundo a publicação. O público que aderiu à campanha foi principalmente constituído por donas de casa, alunos das escolas municipais, bares, restaurantes e refeitórios das empresas. Com a ampliação dos EcoPontos, notou-se o aumento de arrecadação desses resíduos, e até junho de 2014 já foram recolhidos mais 1.400 litros do material.

O biodiesel produzido em 2013 foi vendido para uma empresa transformadora de Cafelândia e, atualmente, é encaminhado para uma empresa no município de Agudos, que paga R$ 0,90 centavos/litro. Além disso, no final de 2013 foram apreendidos pela Vigilância Sanitária Municipal 930 litros de gordura animal irregular em estabelecimento comercial, que foi encaminhada para produção de biodiesel em empresa de Catanduva. O valor arrecadado foi também repassado à entidade Lar São Vicente de Paulo. Diversos municípios realizam programas de coleta de óleo usado para produção de biodiesel como, por exemplo, o município de Floreal, em parceria com a Casa da Agricultura e SABESP; e o município de Indaiatuba, desde 2006, com o programa Novo Biodiesel Urbano.