Share |
24/02/2014

Reciclagem Surpreendente

Tetra Pak
Portal do Meio Ambiente

O químico francês Antoine Lavoisier já dizia que na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. Pois os mais modernos processos de reciclagem também seguem o lema. Muitas coisas do dia-a-dia que você pode não dar muita atenção já são feitos usando materiais reciclados bastante inusitados. Veja alguns exemplos na lista abaixo:

Bolas de tênis feitas de garrafas PET

A maioria das garrafas plásticas de água e refrigerante vendidas no Brasil são feitas de um tipo de plástico, que consiste em tereftalato de polietileno – ou PET. Quando estes plásticos chegam a um centro de reciclagem, são classificados por cor e tipo e retalhados em tiras.

As peças são limpas, derretidas e estendidas em local apropriado para que o material endureça e seque. Estas tiras podem então ser usadas para diversas finalidades, desde bolas de tênis até materiais para roupas e cobertores.

Escova de dentes feita de embalagem de iogurte

O recipiente em que você toma iogurte a partir de agora pode se transformar na escova de dente que você usa logo após terminar seu iogurte. A novidade, chamada de Escova de Dentes Preservada, é feita de embalagem de iogurte reciclada. Não se preocupe, a reutilização só ocorre na fabricação do cabo – as cerdas são feitas de plástico novo.

Piso de academia feito de tênis velho

Desde 1993, a empresa fabricante de tênis Nike tem recolhido tênis desgastados como parte de sua campanha “Reutilize um Calçado”. Os sapatos recolhidos – que não precisam ser da marca Nike – são em seguida triturados e purificados para se tornarem um material chamado “Nike Grind” (algo como “Grãos de Nike”).

Este material é então usado na produção de superfícies específicas para a prática de esportes, tais como pistas de atletismo e quadra de tênis, além de revestimento de parques infantis. Para doar seu velho par de tênis, apenas deixe-o em qualquer loja da Nike.

Bolas de golfe feitas a partir de cascas de lagostas

Pesquisadores da Universidade de Maine, nos Estados Unidos, projetaram bolas de golfe que são exatamente iguais às outras, com exceção de um detalhe notável: elas são feitas a partir de cascas de lagosta esmagadas – restos de fábricas de alimentos – e envolvidas com uma embalagem biodegradável.

As bolas são destinadas ao uso em navios de cruzeiro, de onde golfistas amadores jogam centenas de milhares de bolas de golfe para o mar a cada ano. Estas bolas amigas da vida marinha ajudam a eliminar o problema da bola de golfe como lixo e dos resíduos de lagosta em uma só vez.