Share |
07/06/2014

Pró-Catador: prêmio reconhece programas de coleta seletiva eficientes e inclusivos

Tetra Pak
CEMPRE

“O resultado do Prêmio Pró-Catador demonstra que, com vontade política, não importa o tamanho do município, existem sempre possibilidades de viabilizar projetos eficientes de coleta seletiva com a participação direta dos catadores”, avalia Roberto Laureano, do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR). Segundo Laureano, a premiação fortalece a categoria ao destacar a aplicabilidade das premissas da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). “São casos de inclusão social, com geração de trabalho e renda, redução dos resíduos nos aterros, economia para os cofres públicos, preservação do meio ambiente, prestação de serviço de coleta, separação e destinação adequada dos recicláveis gerido com qualidade pelos catadores.”

De fato, foi esse o objetivo do prêmio lançado em setembro do ano passado: reconhecer e dar visibilidade às ações municipais de inclusão social e econômica de catadores. Promovido pela Secretaria-Geral da Presidência da República, contou com parceria do Ministério do Meio Ambiente, Fundação Banco do Brasil, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e MNCR. Foram recebidas 63 inscrições, das quais dez foram selecionadas para avaliação in loco dos projetos.

A comissão avaliadora foi formada por técnicos da Secretaria-Geral da Presidência da República, Secretaria de Assuntos Federativos da Presidência da República, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ministério do Meio Ambiente, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e Fundação Banco do Brasil. Já a comissão julgadora, que escolheu os quatro ganhadores, foi composta por membros do Ipea. Os critérios de seleção foram: inclusão socioeconômica dos catadores, sustentabilidade, caráter inovador, replicabilidade, impacto sobre o público-alvo, integração com outras políticas, participação da comunidade, existência de parcerias e escopo do projeto.

Os quatro municípios vencedores - Arroio Grande (Rio Grande do Sul), Bonito de Santa Fé (Paraíba), Cratéus (Ceará) e Ourinhos (São Paulo) – receberam o prêmio em dezembro durante cerimônia, em Brasília, com a presidente da República Dilma Rousseff. Além disso, um gestor público e um catador de cada município ganhador participaram de uma visita à Itália, de 5 a 12 de abril, para conhecer a experiência com o tratamento de resíduos das cidades de Turim e Roma.

“As metas do prêmio foram plenamente alcançadas e sabemos que os projetos vencedores já estão inspirando diversos municípios pelo Brasil”, destaca Daniela Gomes Metello, coordenadora do Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Recicláveis. “A coleta com a contratação de catadores é mais econômica, eficiente e muito mais inclusiva e precisa ser divulgada. Temos, agora, de ganhar escala para que se torne o padrão de implantação da PNRS no país.” Para ajudar nesse processo, a premiação, que estava prevista para ocorrer a cada dois anos, será realizada em 2014, com lançamento previsto para maio. Conheça, agora, os quatro vencedores da primeira edição do Pró-Catadores.