Share |
25/04/2018

Entenda a definição de reciclagem primária, secundária e terciária


Pensamento Verde

A busca por um mundo mais sustentável é uma pauta presente em todos os países do mundo, uma vez que está mais do que provado que o planeta deve ter uma vida muito curta se o ser humano continuar a consumir recursos naturais de maneira desenfreada e manter as práticas poucos sustentáveis que existem hoje.

Nessa luta por um mundo mais sustentável, a reciclagem se destaca como uma das ações chave. Isso porque o processo permite a redução dos impactos ambientais associados aos processos produtivos, uma vez que minimiza a necessidade de extrair recursos naturais.

Embora o Brasil seja referência na reciclagem de latinhas de alumínio, ainda há muito o que fazer quando o assunto é reciclagem de maneira geral: de acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), apenas 13% dos resíduos sólidos urbanos são reciclados. Esse número aponta a necessidade de que cidadãos e autoridades se conscientizem mais a respeito dessa prática e das diferenças entre reciclagem primária, secundária e terciária.

Reciclagem primária, secundária e terciária

Antes de qualquer coisa, vale esclarecer que a reciclagem corresponde à transformação de um material previamente utilizado para que possa ser empregado em outros fins. Para isso, são empregados processos físicos, químicos e/ou biológicos — diferentemente do reaproveitamento, que é um processo que não envolve esse tipo de alteração.

O processo de transformação por meio da reciclagem pode ser feito de diversas maneiras. Na reciclagem primária, os produtos transformados são aqueles produzidos na própria indústria ou empresa, e são utilizados para outros fins. Como exemplo, podem ser citadas as sobras de matérias-primas, rebarbas advindas do processo de produção e peças defeituosas. Isso significa que os materiais utilizados na reciclagem primária têm as mesmas características dos produtos originais.

Outra maneira de realizar a transformação é a partir dos produtos já usados, advindos principalmente dos resíduos sólidos urbanos, correspondendo à reciclagem secundária. Nela, os resíduos precisam ser separados e possuem qualidade inferior quando comparados aos utilizados na reciclagem primária, uma vez que vêm contaminados como resíduo orgânico, como sobre de comida.

Por fim, na reciclagem terciária, os produtos originais são transformados por meio de diversos processos — como no caso do plástico, que é transformado em hidrocarbonetos ou monômeros, podendo ser utilizado na produção de novos plásticos ou mesmo de produtos químicos.