Share |
Anterior
12/01/2018

Catadores são responsáveis por 90% do lixo reciclado no Brasil


Observatório do terceiro setor

Sendo a cidade mais populosa do Brasil, São Paulo produz em média 20 mil toneladas de lixo todos os dias. Aproximadamente um quilo e seiscentos gramas por pessoa. De acordo com Pedro Jacobi, professor de ciência ambiental da Universidade de São Paulo (USP) e membro do conselho diretor do Greenpeace, o desafio é “produzir menos resíduos, reciclar cada vez mais e remanufaturar”.

Um grupo que passa despercebido pela sociedade e que está envolvido diretamente com o processo de reciclagem de resíduos é o dos catadores. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) apontam que os catadores são responsáveis por quase 90% do lixo reciclado no Brasil.

De acordo com o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, há 800 mil profissionais do tipo em atividade no país e aproximadamente 85 mil associados ao Movimento Nacional.

A maioria desses trabalhadores encontrou na profissão uma alternativa ao desemprego. No trimestre de julho a setembro deste ano, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) contabilizou 12,4 milhões de pessoas desempregadas em todo o país.

O caso de Euclides Filomeno, de 76 anos, reflete essa realidade. O catador, que já trabalhava como empreiteiro de obra e encanador, mora no Jardim São Luiz e se desloca até o bairro de Pinheiros para trabalhar, todos os dias. “Eu chego aqui 7h30, pego a carroça e vou até as 17h”, explica. Para Euclides, outro fator que reforça o desemprego é a idade. “Eles não dão emprego para idoso”, desabafa.

Raimundo Henrique, de 50 anos, reforça a ideia do colega de trabalho: “Vai passando o tempo e a gente fica descartável. As empresas querem pessoas mais novas”. Desempregado há dois anos, Raimundo encontrou no trabalho de catador uma oportunidade de pagar a faculdade das filhas.

Outros problemas enfrentados pelos catadores são o preconceito e a falta de respeito. Euclides relata que já foi desrespeitado várias vezes por motoristas. Na hora da reportagem, ele disse que uma moça havia acabado de xingá-lo, dizendo para ele andar na calçada. “Ela disse que pagava caro pelo direito de andar de carro na rua. Eu disse que também pagava impostos e que tinha o mesmo direito que ela”, conta.

Em relação ao peso que os catadores carregam, não há um número exato. “É entre 150 e 200 quilos, não tem um limite”, conta Euclides. Catador desde os 10 anos, Gabriel Felipe está com 32 anos atualmente e diz que, por conta do peso carregado, já sofreu um acidente grave com a carroça. “Eu não sabia distribuir bem as coisas na carroça e quando eu saí com ela (a carroça) as coisas caíram em cima de mim”, relata. Ele diz que naquele dia a carroça estava com aproximadamente 800 quilos de recicláveis.

Alguns catadores não pensam em mudar de profissão, como é o caso de José Rafael, de 66 anos, conhecido pelos colegas de trabalho como Chicão. “Eu não faço mais planos”, conta José, que se encontra em situação de rua. Ele ainda relata que é necessário trabalhar o dobro para conseguir uma boa renda e que mesmo assim não tem perspectiva de um futuro melhor. “Por mais que você se esforce, você não consegue sair do lugar”, desabafa.

O ‘Pimp my carroça’, movimento que promove a visibilidade dos catadores, realiza ações criativas com o uso do grafite para melhorar a autoestima desses trabalhadores. Só em 2016, o projeto esteve em Cuiabá, São Paulo, Bragança Paulista, Brasília e Manaus. Nos eventos, carroças, bicicletas, charretes e outros meios que os catadores usam para realizar o trabalho são restaurados e personalizados.

O projeto começou com o artista Thiago Mundano bem antes do primeiro evento do Pimp My Carroça. “A arte faz com que o catador fique menos invisível na sociedade e causa conscientização nas pessoas”, comenta Aline Silva, 27 anos, que trabalha na parte administrativa do projeto. Ela ainda aponta que a sociedade enxerga o catador como alguém marginalizado, mas que esses trabalhadores possuem uma visão empreendedora da profissão. “Alguns (catadores) chegam aqui e falam ‘futuramente quero ter meu próprio ferro velho’. Tem catador que possui uma equipe com 2, 3 carroças. É uma visão empreendedora”, explica Aline.

O conceito do Pimp My Carroça de usar o grafite como forma de melhorar a autoestima e a visibilidade dos catadores de recicláveis já serviu até de inspiração para projetos fora do Brasil. Segundo Aline, 12 países já desenvolveram iniciativas semelhantes desde a criação do projeto brasileiro. Aline também destaca que essa disseminação ocorre por meio do “boca a boca”. “Um dos eventos, que aconteceu no Afeganistão, foi por conta de outro representante do Pimp My Carroça da Colômbia. O artista do Afeganistão gostou da ideia e realizou o evento”, conta. No último domingo (17) aconteceu a terceira edição do Pimp My Carroça na cidade de Cali, na Colômbia.

Atualmente, a organização está juntando fundos para melhorar o aplicativo Cataki. O app, que já está disponível para iOS e Android, funciona como um meio de contato do catador com o gerador de resíduos. Com a tecnologia por satélite, qualquer pessoa pode identificar o catador mais próximo, fazer o contato com o mesmo e descartar o material reciclável.

Para comemorar cinco anos do projeto e ajudar na arrecadação de fundos para o aplicativo, uma loja online com quadros, minirréplicas de carroças, adesivos e camisetas foi criada.

Além dos grandes eventos, aqueles que desejam ajudar os catadores da sua região podem realizar a ação por meio do “Pimpex”. O Pimpex funciona como uma mini edição dos eventos realizados pelo projeto, em que qualquer pessoa pode entrar em contato com o Pimp My Carroça para que a organização crie uma campanha de financiamento coletivo. Assim, quando a meta do financiamento for alcançada, o idealizador do Pimpex receberá um kit para personalizar a carroça escolhida da sua região. Há também a possibilidade de ajudar sendo um voluntário da organização.

De acordo com Aline, o desafio da instituição para 2018 é conseguir parcerias para que mais catadores possam usufruir do aplicativo Cataki por meio de doações de celulares.




Anterior