Share |
20/03/2015

Com a Hora do Planeta, WWF-Brasil ressalta relação da crise hídrica com mudanças do clima


WWF Brasil

Pelo sétimo ano consecutivo, a organização ambientalista WWF-Brasil promove a Hora do Planeta no país. No sábado, 28 de março, milhares de cidades, empresas e pessoas irão apagar as luzes por sessenta minutos, entre 20h30 e 21h30, na maior mobilização mundial para que os líderes globais adotem medidas para deter as mudanças climáticas. A campanha começa com a adesão confirmada de quarenta cidades brasileiras, incluindo uma capital de cada região do Brasil. A atual edição da iniciativa conta com o patrocínio da Ambev e Malwee.

“A conservação do meio ambiente deixou de ser focada no bem-estar das gerações futuras, para ser uma grande questão da geração atual. Este ano, os efeitos da devastação, que já vêm nos atingindo há tempos, pode ser sentido de forma ainda mais contundente - e em vários pontos do mundo”, afirma a secretária-geral do WWF-Brasil, Maria Cecilia Wey de Brito.

A crise hídrica sem precedentes, diretamente relacionada às mudanças climáticas, tem afetado ao menos 40 milhões de brasileiros. A falta d’água também impacta a produção de energia, que é muito concentrada em hidrelétricas. As duas crises incidem sobre a economia, que sofre com queda da produção agrícola e industrial.

“Diante desse quadro está evidente que precisamos tomar providências concretas – e urgentes - para que as atuais alterações climáticas globais possam ser amenizadas por meio de alternativas energéticas, limpas e renováveis, e de ações de políticas públicas e individuais eficazes na conservação das reservas naturais do planeta”, explica Maria Cecilia.

No contexto da Hora do Planeta, o WWF-Brasil irá lançar uma petição - que poderá ser assinada até agosto – para que o governo federal crie um plano nacional para proteção e recuperação de nascentes, rios, lagos, córregos e outros mananciais, que ajudaria a aumentar a quantidade e a qualidade da água para consumo.

Adesão Brasil – Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Goiânia e Manaus são as capitais nas cinco regiões do Brasil que já confirmaram sua participação. Para aderir ao movimento, as cidades interessadas devem entrar em contato com o WWF-Brasil pelo e-mail cidades@wwf.org.br. As cidades recebem um Termo de Adesão, que deve ser assinado por alguma autoridade local indicando quais monumentos e prédios públicos as cidades irão apagar durante a Hora do Planeta.

Em 2014, a Hora do Planeta no Brasil bateu o recorde de participação de cidades brasileiras, com a adesão de 144 municípios (24 deles capitais), em todas as regiões do país. O Monumento às Bandeiras, em São Paulo; o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; a Esplanada dos Ministérios, o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto, em Brasília; e a Igreja São Francisco de Assis (Igrejinha da Pampulha), em Belo Horizonte, foram alguns dos 627 ícones que foram apagados de Norte a Sul do Brasil por sessenta minutos.

Contexto global - 2015 é um ano decisivo na busca de soluções para as mudanças climáticas. Em dezembro, será sediada em Paris (França) a 21a Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCC, na sigla em inglês). O encontro, que reunirá os maiores líderes globais, tem como principal objetivo pavimentar o caminho para a assinatura de um acordo global de clima, com medidas para mitigar o avanço do aquecimento global e aumentar as adaptações necessárias para o enfrentamento das mudanças climáticas.

Assim, a Hora do Planeta, que irá ocorrer em todos os continentes, é a grande oportunidade de unificar a comunidade global em torno de ações individuais que vão chamar a atenção dos dirigentes mundiais para a importância de se fechar um acordo global e eficaz para a conservação ambiental.

"A Hora do Planeta é um movimento das pessoas e também o mais duradouro do mundo, voltado para o clima. As luzes podem sair por uma hora, mas as ações realizadas por milhões de pessoas, ao longo do ano, irão inspirar as soluções necessárias para deter a mudança climática”, afirma o CEO e co-fundador da Hora do Planeta, Andy Ridley.

Assista ao Vídeo Oficial da Hora do Planeta 2015

Saiba mais:

Site Brasil: www.wwf.org.br/horadoplaneta

Site Global: www.earthhour.org

Sobre a Hora do Planeta

A Hora do Planeta, conhecida globalmente como Earth Hour, é uma iniciativa global da Rede WWF para enfrentar as mudanças climáticas. Desde sua primeira edição, em março de 2007, a Hora do Planeta não para de crescer. O que começou como evento isolado, em uma única cidade, Sidney, na Austrália, tornou-se uma ação global, envolvendo um bilhão de pessoas em mais de 7 mil cidades de 162 países e territórios. Alguns dos mais conhecidos monumentos mundiais, entre elas, as pirâmides do Egito; a Torre Eiffel, em Paris; a Acrópole de Atenas e – até mesmo – a cidade de Las Vegas já ficaram no escuro durante sessenta minutos. No Brasil, a Hora do Planeta acontece oficialmente desde 2009. Promovido pelo WWF-Brasil, o movimento reúne cidades, empresas e pessoas em todas as regiões do país.

Sobre o WWF-Brasil

É uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criado em 1996 e sediado em Brasília, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

Sobre a Rede WWF

A Rede WWF é uma das maiores organizações ambientalistas independentes do mundo. Ela tem o apoio de quase 5 milhões de pessoas e uma rede mundial ativa em mais de 100 países. A missão da Rede WWF é acabar com a degradação do meio ambiente natural do planeta e construir um futuro onde os seres humanos vivam em harmonia com a natureza, assegurando o uso sustentável dos recursos naturais renováveis e promovendo a redução da poluição e do desperdício de consumo.