Share |
21/12/2013

Para ministro, resultado do Brasil em ranking de educação é 'grande vitória'


G1

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou que os resultados do Programa Internacional de Avaliação dos Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), divulgados nesta terça-feira (3), representam 'grande vitória' para a educação no Brasil. Já especialistas consideram a evolução 'tímida'.

O Brasil foi o país que apresentou a maior evolução em matemática nos últimos anos, mas ainda assim ocupa uma das últimas posições. O país ficou em 58º lugar entre 65 nações. Em matemática, o Brasil obteve 391 pontos. Já no ranking da leitura, o país ficou com a 55ª posição (410 pontos). Em ciências, o Brasil obteve 405 pontos, e ficou na 59ª posição. Na média geral, o país registrou 402 pontos. A prova é feita por estudantes de 15 anos de idade matriculados na rede pública ou privada de ensino a partir do 7° ano do ensino fundamental.

"Levando em conta que nós somos um dos países que mais avançaram em matemática e o país que mais avançou na média, é uma grande vitória. (...) E acho que avançou pelo esforço do estado brasileiro, pela dedicação dos professores, que ensinam nossos estudantes em condições adversas, e pelo próprio empenho dos estudantes", afirmou o ministro.

Os números do Pisa mostram a evolução do Brasil em matemática. Na prova de 2000, o Brasil registrou 334 pontos. Já em 2003, o país obteve 356 pontos. Em 2006, subiu para 370 pontos em 2006. Em 2009, alcançou 386 pontos. Em 2012, a nota de matemática foi de 391 pontos.

"Nossa fotografia não é boa, mas nosso filme é muito bom. (...) Não temos que acomodar, temos que ser rigorosos, tomando medidas cada vez mais rigorosas para avançarmos. (...) Partimos de um patamar baixo, apesar de sermos o país que mais evoluiu temos que ser rigorosos, senão nós não estaríamos tomando mais medidas para tentar melhorar o ensino médio, que é o maior desafio da educação", disse Mercadante.

Em 2012, o Pisa foi aplicado a 510 mil alunos em 60 países, que, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), representam estatisticamente cerca de 28 milhões de estudantes de 15 anos. No Brasil, 19.877 alunos de 837 escolas completaram o exame, segundo o estudo. Porém, o Ministério da Educação (MEC) informou que foram avaliados 18.589 estudantes de 767 escolas.

Segundo o ministro, políticas públicas como o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), o programa Mais Educação, com escola em tempo integral, e o esforço na formação de professores têm contribuído para a "evolução da educação no país".

"Temos muito trabalho pela frente. Temos muito trabalho para a gente poder, de fato, considerar que a qualidade da educação no Brasil está no nível das melhores economias do mundo, mas é muito significativo esse resultado", afirmou Mercadante.

O ministro explicou que o foco da prova de 2012 foi matemática e, em razão disso, a principal comparação deve ser feita entre as notas da área. Segundo Mercadante, em cada avaliação o foco é em uma área específica. O ministro afirmou que, quando o foco é matemática, por exemplo, 55% das questões são concentradas nessa área e 45% se dividem entre as duas outras (leitura e ciências).

"O Brasil é o país que mais evoluiu em matemática, e o país que mais caiu é a Suécia, na diferença de pontos do Pisa entre 2003 e 2012. (...) Nosso avanço na década é como se tivéssemos ganhado um ano a mais de estudo, é isso que representa", comparou o ministro.

"Somos o país em que o estado mais aumentou, proporcionalmente, os investimentos em educação entre os países-membros da OCDE, com 18,13%, enquanto na média da OCDE são 12%. Fizemos um grande esforço para ter esse resultado", afirmou Mercadante.