Share |
25/06/2015

Tetra Pak - O lado bom de ser “amigo da onça”


Isto é - Dinheiro

A multinacional sueca Tetra Pak, gigante do setor de embalagens, quis mostrar o lado bom de ser amigo da onça. Desde 2010, passou a investir em projetos com institutos como o Centro de Análise de Potencial (CENAP), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Instituto Pró-Carnívoros, para estimular a educação ambiental, a partir da preservação de animais carnívoros da fauna brasileira, como onça-pintada e onça-parda.

Com as parcerias, a empresa passou a ter presença em três biomas do País, a Caatinga, o Pantanal e a Mata Atlântica, atuando em quatro programas distintos, desde a construção de estruturas por meio de placas e telhas feitas com embalagens longa-vida recicladas, até o incentivo ao ecoturismo e à educação ambiental dos locais.

No projeto “Amigos da Onça”, iniciado em setembro de 2014, as instituições tentam reduzir conflitos entre homens e onças na bacia do Rio São Francisco, no norte da Bahia, a partir da construção de infraestrutura para proteger criações domésticas dos predadores. De acordo com o diretor de meio ambiente da Tetra Pak, Fernando von Zuben, as estruturas construídas com os produtos reciclados evitam a degradação do meio ambiente.

A ideia da companhia e de seus parceiros, agora, é expandir o programa para a Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, no Piauí. Segundo o executivo, há um esforço para contribuir com a sustentabilidade das comunidades e o desenvolvimento econômico da região. “Acreditamos que a combinação da cultura local com a educação ambiental é uma maneira eficaz de comunicar a importância da preservação ambiental”, afirma von Zuben.