Share |
01/05/2014

Plantando Sementes

Tetra Pak
Envolverde

O transporte é um dos principais contribuintes para a poluição ambiental na maioria das nações industrializadas. Estima-se que de 85% a 90% de todas as emissões de Monóxido de Carbono (CO) sejam provenientes do escape de veículos, cujos motores são movidos a combustível. Por isso, inúmeras são as medidas adotadas atualmente por governos e empresas privadas para a utilização de tecnologias limpas com a finalidade de diminuir o índice de poluição das grandes metrópoles.

Alinhado a este objetivo, órgãos do Governo Brasileiro desenvolvem, atualmente, estudos, projetos e ações em parcerias com montadoras, concessionárias de energia e operadores de frotas de automóveis para o desenvolvimento de pesquisas de veículos movidos a energia elétrica, bem como a elaboração de testes de implantação de redes e postos de recarga para as baterias destes veículos.

Muitos são os artigos publicados sobre o tema. Mas recentemente, a VEZ (Veículos de Emissão Zero) do Brasil, parece ter tirado do papel o que, até pouco tempo e para muitos, parecia um sonho irrealizável. O SEED, que em inglês quer dizer semente, é o primeiro veículo elétrico desenvolvido no país, e conta com vantagens que atendem, principalmente, às necessidades mais urgentes do meio ambiente.

Após 10 anos de pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos Nacional, o SEED entrou no mercado com preço competitivo, pintura, acabamentos e acessórios personalizados, bom desempenho e baixo custo de manutenção. A começar pela carroceira, feita de Fiber Glass, o SEED prova a que veio não utilizando ferro nem aço como matéria prima e evitando o impacto ambiental decorrente da cadeia de fabricação destes metais. Assim como os pneus, produzidos em material reutilizado, a maioria de suas autopeças são de origem reciclada ou recicláveis.

O SEED consome 4x menos por Km rodado que um carro Flex convencional. Ou seja, para quem gasta em média R$ 100,00 por mês de gasolina para rodar determinada distância com um carro Flex convencional, poderá gastar apenas R$ 25,00 por mês para percorrer a mesma distância com o SEED.

“Tudo está relacionado ao desenvolvimento de infraestruturas…Para que o carro elétrico dê certo é preciso de infraestrutura”, afirma Carlos Ghosn, CEO das montadoras Nissan e Renault.

O Brasil vem enfrentando sérios problemas com o abastecimento de energia elétrica em suas grandes cidades. Mas, embora o carro a etanol seja uma alternativa eficiente e viável para a redução da poluição no país e sua maior fonte de eletricidade seja das mais limpas que existe (Usinas Hidrelétricas), o Brasil tem potencial para investir a fundo em energias renováveis como solar e eólica, por exemplo, que viabilizariam ainda mais o consumo e uso de veículos elétricos no país. Uma coisa é certa: a semente foi plantada!