Share |
29/09/2012

ONG condecora árvores centenárias que sobreviveram à urbanização de São Paulo


planetasustentavel.abril.com.br

Originalmente coberta 100% pela vegetação da Mata Atlântica, a cidade de São Paulo possui hoje apenas 17,5% do bioma em seu território. A perda do verde na capital paulista aconteceu, sobretudo, por conta da urbanização desordenada e para chamar a atenção dos cidadãos para isso, a Fundação SOS Mata Atlântica lançou a campanha Veteranas de Guerra*.

Com a consultoria de Ricardo Cardim, biólogo, ambientalista e fundador da Associação Amigos das Árvores de São Paulo*, a ONG escolheu 20 das mais antigas árvores da capital paulista para serem condecoradas por resistirem às ações do homem. As plantas, espalhadas por diferentes regiões de São Paulo, receberam medalhas de honra e placas de bronze em agradecimento aos serviços prestados à população.

Entre as espécies centenárias escolhidas pela SOS Mata Atlântica estão jatobás, ceboleiros, figueiras e jequitibás. De acordo com a ONG, a mais antiga árvore que participa da campanha é a Figueira das Lágrimas, localizada no Sacomã, na zona sul da capital. Com mais de 200 anos de idade, a planta está em um local onde, no século 19, havia uma estrada que ligava o Porto de Santos a São Paulo. Segundo a SOS Mata Atlântica, até mesmo Dom Pedro I passou por essa figueira antes de proclamar a Independência em 1822.

VOCÊ TAMBÉM PODE PARTICIPAR

Criada pela agência F/Nazca Saatchi & Saatchi, a campanha conta com o site Veteranas de Guerra, em que, além de conhecer as 20 plantas centenárias da iniciativa, o internauta pode denunciar locais onde as árvores estão esquecidas. Basta fotografar a planta que está mal cuidada e enviar a foto para a SOS Mata Atlântica, junto com um formulário disponível no site da iniciativa. A denúncia será enviada, por e-mail, aos responsáveis pela preservação do meio ambiente da sua cidade para que a situação seja resolvida e você se tornará padrinho e monitor daquela árvore.