Share |
17/05/2014

IPCC cobra mais rapidez na adoção de combustíveis limpos

Tetra Pak
Estadão

Cientistas e representantes políticos do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas exortaram líderes mundiais a acelerarem a adoção de combustíveis limpos, sob pena de ser impossível limitar os efeitos nocivos do aquecimento global. A mensagem foi transmitida no relatório divulgado ontem, em Berlim, que adverte: nunca se emitiu tanto dióxido de carbono (CO2) e outros gases de efeito estufa na atmosfera como no Século 21.

O documento foi aprovado após seis dias de intensos debates sobre as formas de mitigar, ou seja, de reduzir o impacto das mudanças climáticas. Segundo o texto, produzido a partir da síntese elaborada por 235 autores de 58 países, o nível de emissões de gases de efeito estufa na atmosfera continuou a crescer entre 1970 e 2010, a despeito de todos os alertas feitos pela comunidade científica. E o problema se acelera: entre 1970 e 2000, o crescimento médio das emissões foi de 1,3% por ano, enquanto entre 2000 e 2010 saltou para 2,2% por ano.

O IPCC afirma que "cerca da metade das emissões antropogênicas (feitas pela ação humana) de CO2 entre 1750 e 2010 aconteceram nos últimos 40 anos". "Precisamos de um nível de cooperação internacional sem precedentes", advertiu Rajendra Pachauri, coordenador do IPCC. "Um trem de alta velocidade de mitigação teria de deixar a estação muito em breve e todo o mundo teria de estar a bordo", ilustrou o indiano.

Os vilões do aquecimento global, ainda segundo o texto, são os sistemas de produção de energia, com 47% das emissões, a indústria, com 30%, o transporte, com 11%, e a construção civil, com 3%. "O crescimento econômico e populacional continuam a ser os mais importantes favores de aumento das emissões de CO2 a partir da queima de combustíveis fósseis", diz o o relatório. Com isso, sem que ações para reduzir as emissões sejam tomadas, a temperatura da Terra em 2100 será entre 3,7ºC e 4,8ºC maior do que em relação aos níveis pré-Revolução Industrial.

Para evitar esse cenário catastrófico, o IPCC traçou projeções para conter as emissões de CO2 de forma a limitar o aumento médio da temperatura a 2ºC até 2100. "Os cenários", dizem os experts, "incluem cortes substanciais de emissões gases de efeito estufa até o meio do século e mudanças de larga escala em sistemas de energia e uso da terra". Para tanto, o IPCC defende a substituição em massa de combustíveis fósseis – como o carvão ou os derivados de petróleo – por energia nuclear, bioenergias, reflorestamento e redução do desmatamento.