Share |
29/03/2014

Hora do Planeta 2014 no Brasil

Tetra Pak
Portal do Meio Ambiente

Jovens e famílias com crianças. Esse foi o perfil das cerca de 300 pessoas que se reuniram na noite de sábado (29/3) na Praça Victor Civita, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, no primeiro evento oficial da Hora do Planeta realizado na capital paulista. Em sua sexta edição no Brasil, a iniciativa global da Rede WWF para enfrentamento das mudanças climáticas bateu o recorde de participação de cidades brasileiras, com 142 municípios – 29 mais do que no ano passado e dez mais do que em 2012 (edição que detinha o recorde). E todas elas foram apagadas, simbolicamente, às 20h30, quando um interruptor gigante instalado na praça foi desligado, permanecendo assim até as 21h30.

“É um gesto simbólico que convida a um engajamento para gerar mudanças em nossas rotinas, com menos emissão de gases do efeito estufa e mais contribuição para minimizar os efeitos do aquecimento global”, disse Renata A. Soares, superintendente de Comunicação, Marketing e Engajamento do WWF-Brasil ao abrir o evento. “O importante é perceber que cada um de nós tem o poder de fazer diferente no nosso dia a dia. O slogan desta edição, ‘Use o seu poder para salvar o planeta’, quer justamente passar essa ideia, de que somos super-heróis lutando para proteger o planeta”, acrescentou.

Ao longo dos sessenta minutos em que os presentes permaneceram à luz de velas ou utilizando lanternas a dínamo, ambas distribuídas pelo WWF-Brasil, o evento teve a apresentação do Grupo de Dança Pélagos e de integrantes da escola de samba paulistana Vai-Vai. A apresentação do mestre-sala e da porta-bandeira mirins, sob as bênçãos das baianas (foto) e da bateria também mirim, foi um dos momentos mais emocionantes da noite.

Em todo o País, exatos 473 ícones – entre monumentos, prédios e equipamentos públicos locais – permaneceram apagados das 20h30 às 21h30. O Monumento às Bandeiras, em São Paulo; o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; a Esplanada dos Ministérios, em Brasília; e a Igreja São Francisco de Assis (Igrejinha da Pampulha), em Belo Horizonte, foram apenas alguns dos mais emblemáticos.