Share |
28/07/2014

É possível descarbonizar o planeta até 2050

Tetra Pak
Envolverde

Enquanto nós e o mundo acompanhávamos a Copa do Mundo, um relatório elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais (Iddri, na sigla em francês) e pela Rede de Soluções do Desenvolvimento Sustentável (SDSN, na sigla em inglês), que conta com a participação do economista Jeffrey Sachs, foi entregue ao secretário-geral da ONU, Ban-Ki Moon.

O documento mostrou pela primeira vez como os 15 países mais poluidores do mundo (o Brasil entre eles) podem baixar drasticamente a concentração de carbono em suas atividades até 2050 e, com isso, contribuir para que a temperatura do planeta não aumente 2 graus centígrados.

O relatório, que ainda não é definitivo, tem o título Pathways to Deep Decarbonization (algo como “Caminhos para Descarbonização Profunda”) e é a primeira iniciativa de cooperação global a traçar soluções para diminuir a emissão de gases de efeito estufa (GEE). Esse documento é resultado do trabalho de 15 equipes de pesquisadores, representando as 15 nações que mais emitem GEE: África do Sul, Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Índia, Indonésia, Japão, México, Reino Unido e Rússia.

Estas equipes trabalharam para responder a seguinte pergunta: “O que falta fazer para chegar a 2050 com chance de manter o crescimento da temperatura global em menos de 2oC, sem emitir mais de 1,6 toneladas de carbono, em média, contra as 5,2 toneladas de hoje?”. As respostas dadas pelos países não foram idênticas, pois cada nação possui particularidades específicas e prioridades diferentes.

Os projetos de alguns países

A China, país altamente industrializado e dependente do carvão, optou por desenhar um caminho de modernização do parque fabril, com a implementação de tecnologia de captura e armazenamento de carbono.

Os Estados Unidos, com sua enorme classe média de forte poder aquisitivo, sinalizam com programas de eficiência energética e de padrões mais altos (ou de menor quantidade de poluentes) nos combustíveis.

A África do Sul pretende investir em eficiência energética na indústria, nos veículos elétricos e nos biocombustíveis.

Os relatórios do Brasil, da Alemanha e do México ainda não foram apresentados. Em nosso país, os trabalhos estão sendo coordenados pelo professor Emílio La Rovere, do Coppe/UFRJ. E as atividades têm a participação da SDSN Brasil, lançada em março de 2014, com o apoio de várias organizações, entre as quais o Instituto Ethos.

A conclusão mais importante é que, sem um compromisso de longo prazo (até 2050), os países não conseguirão firmar acordos de curto e médio prazos, indispensáveis para que a humanidade chegue ao meio do século sem atingir os 2oC de aumento na temperatura do planeta.