Share |
11/05/2014

Conheça o Parque Indígena do Xingu

Tetra Pak
Pensamento Verde

Localizado no Mato Grosso, em uma região de transição ecológica entre as savanas de clima seco e as florestas tropicais da Amazônia, o Parque Indígena do Xingu (PIX) é uma importante referência de diversidade ambiental e cultural. Com cerca de 2,6 milhões de hectares, o parque abriga 5,5 mil índios de 16 etnias que conservam seus costumes e rituais mesmo com a interferência do homem.

O Parque do Xingu é dividido em três partes: uma ao norte, conhecida como Baixo Xingu, onde vivem os Suyá, os Yudjá e os Kaiabi; uma na área central, o chamado Médio Xingu, que abriga as tribos Trumai e os Ikpeng; e outra ao sul, o Alto Xingu, que reúne povos com culturas semelhantes.

Com mais de meio século de existência, o parque possui uma história marcada por invasões, ameaças e lutas pela extensão de seus limites. Sua criação foi possível graças à mobilização iniciada pelos irmãos Leonardo, Cláudio e Orlando Villas-Boas que, depois de conviverem com os índios da região, decidiram desenvolver ali um programa de proteção que assegurasse uma base territorial para a preservação dos modos tradicionais de vida daqueles povos.

Inicialmente classificado como “Parque Nacional”, tinha como propósito não só a proteção das comunidades indígenas, como também a preservação ambiental da área. Foi apenas com a criação da Funai (Fundação Nacional do Índio), em 1967, seis anos após a criação do parque, que passou a ser designado “Parque Indígena”, com o objetivo primordial de conservar a diversidade cultural nativa.

Desde sua criação, o parque sofreu com invasões predatórias regulares de pescadores, garimpeiros e fazendeiros. Além destas ameaças, as queimadas e o avanço da agropecuária no entorno da região trouxe como consequência a poluição das nascentes dos rios que abastecem as comunidades locais.

Por sua beleza, diversidade e riqueza cultural, o local atrai turistas de todas as partes. Quem tem o privilégio de visitá-lo, pode se aventurar nas trilhas, desfrutar das belas paisagens da Floresta Amazônica e conhecer um pouco sobre a cultura das tribos que vivem ali.