Share |
12/12/2013

Site gratuito oferece curtas e planos de aula


Por Vir

Recentemente, o YouTube Edu entrou no ar reunindo cerca de 8 mil videoaulas de professores brasileiros com conteúdos voltados ao ensino médio. Mas nem só de videoaulas vivem as plataformas que usam o recurso do audiovisual como meio de ensinar. O Curta na Escola, criado em 2006, é um portal onde, além de assistir gratuitamente aos mais de 350 curtas – como o documentário Brasil (2012), com Caetano Veloso e Gilberto Gil –, os professores recebem indicações pedagógicas de como aplicar esses conteúdos em sala de aula.

“A linguagem do audiovisual trabalha com vários sentidos, além do auditivo e visual, pois propicia que o aluno imagine e compreenda contextos diversos. Na plataforma são selecionados vídeos que podem auxiliar o professor no desenvolvimento de habilidades diversas com os alunos, não somente em áreas específicas do currículo como também de leitura crítica de mídia e até mesmo produção”, afirma Mary Grace, uma das coordenadoras do projeto.

Ao acessar a plataforma e se cadastrar, o professor tem acesso ao acervo pedagógico. Nele, os curtas estão divididos da seguinte maneira: gênero, nível de ensino – que vai desde educação infantil até ensino superior –, faixa etária, disciplinas e temas transversais que podem ser discutidos junto desse conteúdo, como cidadania, ética, psicologia, meio ambiente, saúde e família. Todos eles podem ser assistidos on-line, tanto do computador quanto de um smartphone.

“Queremos que os vídeos sejam utilizados a partir dos temas que o professor está abordando, sempre com uma intencionalidade pedagógica, jamais o vídeo pelo vídeo. A ideia é sempre complementar com outras atividades do currículo”, explica Grace. Por isso, ao escolher qualquer um dos filmes, o educador tem acesso a planos de aula, sugestões de uso e comentários de outros professores que já usaram o material em sala de aula.

No documentário A Invenção da Infância (2000), por exemplo, existem três planos de aula. No primeiro deles, chamado de O Conceito Moderno de Infância, as sugestões indicam que ele seja usado na disciplina de história para ensino médio e superior e para formação de educadores.

Além disso, o plano também indica um roteiro para sua aplicação, começando pelo levantamento da discussão sobre o que é ser criança, passando pela apresentação do contexto do nascimento na sociedade moderna, até os objetivos a serem conquistados com a atividade, que podem ser tanto o conhecimento das influências socioeconômicas na vida das crianças como a reflexão sobre os valores e hábitos de consumo. “A diversidade de curtas que existe no portal, inicialmente não pensados para fins didáticos, contribui para que as aulas sejam significativas e apóiem muito bem a aprendizagem dos alunos”, afirma a coordenadora.

É nesse mesmo espaço onde são apresentadas as informações desenvolvidas pela equipe de pedagogos da plataforma que os professores deixam seus depoimentos. Sobre o documentário supracitado, por exemplo, cinco professores explicam como ele foi utilizado e o mais curioso é que as idades variam de 10 a alunos de mais de 18 anos e as disciplinas trabalhadas vão de língua portuguesa para o ensino fundamental 2 até pedagogia, para uma turma de educadores em formação.

E se o trabalho do professor deu certo e a escola quiser adotar o conteúdo da plataforma em toda a instituição, é possível fazer um cadastro – também gratuito – que permite receber as coleções Curta Na Escola em um kit com planos impressos e de DVDs, que são seleções de curtas-metragens acompanhadas dos planos de aula, de acordo com a disciplina.

As três coleções já desenvolvidas até agora – sendo duas de conteúdo multidisciplinar e uma para literatura brasileira – já foram entregues para mais de 3.000 escolas em todo o Brasil, com o patrocínio da Petrobras.