Share |
20/11/2014

MEC lança Idioma Sem Fronteiras para alunos e docentes de Letras estudarem línguas no exterior

Tetra Pak
O Globo

O Ministério da Educação (MEC) lançou nesta segunda-feira (17) o Programa Idioma Sem Fronteiras, vinculado ao Ciência Sem Fronteiras e voltado para alunos e professores de línguas que desejam elevar a proficiência em determinada língua. A medida foi publicada no Diário Oficial da União.

De acordo com dados obtidos pelo GLOBO junto ao MEC, serão sete línguas estrangeiras abrangidas: inglês, francês, espanhol, italiano, japonês, mandarim, alemão. Cada instituição brasileira que participar ganhará um “núcleo de línguas”, responsável por gerir a concessão das bolsas e ministrar cursos presenciais nos idiomas que comporão o programa.

Os núcleos também poderão aplicar testes de proficiência para estudantes que desejam obter um certificado. O portaria esclarece que o novo programa será custeado por dotação orçamentária da União, mas ainda não há valores exatos, uma vez que os editais serão lançados conforme a demanda e as parcerias que forem firmadas.

Alunos de qualquer disciplina de graduação poderão participar das aulas presenciais e on-line nos pólos das universidades credenciadas. Conforme O GLOBO apurou, o edital para o curso de francês pela internet será lançado hoje, onde estarão disponíveis 1,5 mil logins e senhas para usuários.

No entanto, só terão direito a bolsas de estudo no exterior os estudantes de licenciatura em Letras das línguas estrangeiras abrangidas no Idioma Sem Fronteiras. A ideia é que eles aprofundem o conhecimento imersos em países falantes da língua que estudam. Em contrapartida, os bolsistas ensinarão Português para estrangeiros e promoverão a cultura brasileira. A iniciativa já foi até batizada:

"O Português Sem Fronteiras é nossa língua, nossa cultura. Existe uma procura muito grande pela nossa língua no exterior. Queremos suprir essa demanda e permitir a troca de experiências das línguas para promover a maior internacionalização do Brasil. Eventos como a Copa do Mundo mostraram que os estrangeiros precisam conhecer nossa cultura", disse a coordenadora do Idioma Sem Fronteiras, Denise Abreu e Lima.