Share |
23/03/2017

Brasileiro fica entre finalistas no prêmio de "melhor professor do mundo"


Uol Educação

O brasileiro Wemerson da Silva Nogueira, 26, de Nova Venécia, no Espírito Santo, ficou entre os dez finalistas na edição 2017 do Global Teacher Prize, considerado o maior prêmio que um professor pode ganhar no mundo. Quem levou a premiação de US$ 1 milhão (R$ 3,1 milhões), porém, foi a professora Maggie MacDonnell, do Canadá, que dá aulas em comunidades indígenas de locais remotos e de difícil acesso no país.

Professor de ciências na Escola Estadual Antônio dos Santos Neves, em Boa Esperança (ES), Nogueira foi indicado ao prêmio por desenvolver com seus alunos o projeto "Filtrando as Lágrimas do Rio Doce". Nele, estudantes aprenderam a criar filtros com materiais simples para limpar as águas sujas do rio Doce, que foi contaminado com rejeitos de mineração após o rompimento de uma barragem da Samarco em Mariana (MG), que causou um desastre ambiental. Os filtros feitos pelos alunos foram distribuídos para a população ribeirinha. A água resultante da filtragem não é própria para consumo humano, mas pode ser usada para atividades domésticas.

"O trabalho teve dois objetivos: melhorar o aprendizado dos conceitos de química e física e devolver 75% da potabilidade da água para uso diário”, afirma Wemerson.

Global Teacher Prize é concedido anualmente a um professor que tenha feito uma "contribuição excepcional para a profissão". No ano passado, Nogueira recebeu diversos prêmios nacionais pelo projeto.