Share |
14/09/2010

Brasil avança na educação primária e no ensino superior, diz relatório


G1

Lançado pelo Fórum Econômico Mundial em parceria com o Movimento Brasil Competitivo (MBC) e Fundação Dom Cabral no Brasil, o Relatório de Competitividade Global aponta que o Brasil avançou na educação primária e na educação superior e ensino profissionalizante.

Em educação primária e saúde (os dois itens foram avaliados conjuntamente) o Brasil teve nota 5,5 (em uma escala de zero a sete) e ficou na 87ª posição no ranking geral. Ao todo, foram avaliados 139 países.

Em 2009, neste quesito o país teve pontuação de 5,2 e 79ª posição no ranking. "O Brasil caiu no ranking, mas a nota melhorou. Isto significa que a educação brasileira avançou mas os outros países melhoraram mais. Esta é uma corrida onde todo mundo acelera, se o país não acelerar fica para trás", diz ao G1 Cecília Maria Bortolassi Macedo, coordenadora de projeto sênior e economista do MBC.

A melhor pontuação do ranking em educação primária foi da Finlândia (6,6) e a pior da Angola (1,5).

Ensino superior

Na educação superior e ensino profissionalizante, o Brasil ficou na 58º colocação neste ano e no ano passado. Porém, assim como na educação básica, avançou na nota. Teve 4,3 neste ano e 4,1, no ano passado.

Neste pilar, a melhor nota foi da Austrália que teve 149,3 (numa escala de 1 a 150) e a pior da Angola (17,3).

Para avaliar a educação, o estudo levou em consideração dados como taxas de matrículas, investimento na área, além do resultado de uma pesquisa de opinião feita entre os executivos de cada país que avaliaram a qualidade do sistema educacional, ensino de matemática e ciências, gestão das escolas, entre outros quesitos. Redes de ensino pública e privada entraram na pesquisa.

Baseado em 12 pilares de competitividade, o estudo fornece um retrato explicativo do cenário em todos os estágios de desenvolvimento. Os pilares são: instituições, infraestrutura, ambiente macroeconômico, saúde e educação primária, educação superior e treinamento, eficiência do mercado de bens, desenvolvimento do mercado financeiro, prontidão tecnológica, tamanho de mercado, sofisticação empresarial e inovação.

Na classificação geral, o Brasil ficou na 58ª colocação, caiu duas posições em relação ao ano passado. O relatório aponta a Suiça como o país mais competitivo do mundo.