Share |
31/10/2012

Como implantar projetos sustentáveis na escola

Tetra Pak
Nova Escola

Quando o assunto é aplicar ações sustentáveis na escola, um erro comum é tocar no assunto apenas em datas comemorativas. Campanhas de reciclagem também devem ser vistas com cautela, pois promo­ver concursos que premiam quem mais reúne garrafas PET e latas de alumínio, longe de ser uma atitude sustentável, promove o consumo desnecessário. Além disso, ações desse tipo estimulam a criança a separar o lixo só para vencer uma pro­­­va e não pelo motivo verdadeiro, que é a preservação do meio em que vive. Outras ações nada eficazes são passar o conhecimento apenas com conselhos ou projetos tão complicados que acabam abandonados.

Já no que se refere ao prédio, o professor e arquiteto Roberto Alfredo Pompéia, que desenvolve projetos sustentáveis, reforça que o contexto no qual a escola está inserida também deve ser uma prioridade. "Não faz sentido ser estruturalmente sustentável sem respeitar a identidade do local. É muito diferente falar em sustentabilidade em São Paulo, onde podemos construir com tijolos de cerâmica, e no Pantanal, onde os mesmos tijolos levam bastante tempo para chegar e saem bem mais caros", afirma ele.

É preciso considerar também a questão científica da construção, que deve garantir conforto térmico e ventilação. "De nada adianta uma escola ter uma bela fachada envidraçada se a posição das janelas faz alunos e professores sofrerem com o calor, fechar cortinas e ligar aparelhos de ar condicionado", explica Márcio Augusto Araújo, consultor do Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica (Idhea).

Convidar crianças e jovens para pensar sobre questões como as propostas por Márcio pode não mudar o mundo, mas faz diferença no aprendizado. Os educadores da EE Dr. Carlos Guimarães, em Belém, comprovaram isso na prática. "O foco no trabalho com os alunos no ano passado foi pensar numa estrutura mais sustentável para a escola", conta a diretora­ Cristina Arruda. Nem tudo coube no orçamento, como a construção de cisternas. "Mas o encontro da solução, a instalação de quatro depósitos de água com capacidade de mil litros cada um, também partiu dos alunos", conta ela.