Share |
30/01/2013

Resultados sustentáveis para a Copa de 2014

Tetra Pak
Cempre

Responsabilidade compartilhada para fazer da Copa do Mundo um evento que deixe bons legados para o país.

As estimativas do governo brasileiro dão conta de que a Copa do Mundo deverá agregar R$ 183 bilhões ao PIB brasileiro até 2019. Esse valor inclui investimentos em infraestrutura, gastos incrementais dos turistas, aumento no consumo das famílias, recirculação do dinheiro na economia e elevação do turismo e do uso dos estádios após a Copa. A grande preocupação é fazer com que a mobilização em torno da maior festa do futebol produza resultados duradouros esignificativos para as doze cidades-sede e o país como um todo.

Com esse objetivo, o governo criou nove Câmaras Temáticas que têm como missão potencializar, ao máximo, a herança da Copa para o Brasil. Uma delas trata especialmente de Meio Ambiente e Sustentabilidade. Em novembro, uma reunião promovida pelo Ministério do Meio Ambiente avaliou como está caminhando o tema e apontou aspectos que já são considerados modelares pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) e deverão influenciar na elaboração das próximas Copas. Um deles é a iniciativa de oferecer linhas de créditos diferenciadas para estádios com certificado de sustentabilidade. “São estádios que consideram, por exemplo, a recuperação da água da chuva e adotam um conjunto de ações desde a construção até o seu funcionamento que prima pela sustentabilidade”, explicou na ocasião o diretor de Ambiente Urbano do Ministério, Silvano Silvério.

Na reunião, foram discutidos também os planos de gestão integrada de resíduos sólidos, a coleta seletiva e a logística reversa que deverão ganhar impulso extra nas cidades-sede. Dentro do conceito de responsabilidade compartilhada, estiveram no encontro representantes da Fifa, do Comitê Organizador Local da Copa, além dos ministérios do Meio Ambiente, Trabalho, Emprego e Renda, das Cidades, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Banco do Brasil, de empresas, do Cempre e do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR).

PET reciclado nos assentos

A Coca-Cola, patrocinadora oficial da Fifa, está participando desse esforço de maneira diferenciada. A empresa anunciou uma campanha para doação de garrafas PET que serão usadas no revestimento dos assentos de três estádios que vão sediar os jogos da Copa do Mundo: Maracanã, no Rio de Janeiro (6.700 cadeiras), Estádio Mané Garrincha, em Brasília (3.300), e Mineirão, em Belo Horizonte (3.000).

“A Coca-Cola é referência mundial em sustentabilidade e reciclagem e acredita que sempre é possível inovar. A Copa do Mundo da Fifa é uma grande oportunidade de massificar ainda mais a cultura da reciclagem. Este é um dos legados que pretendemos deixar para o Brasil”, declarou Victor Bicca Neto, diretor de assuntos governamentais, comunicação e sustentabilidade da Coca- Cola Brasil para a Copa do Mundo de 2014. A coleta do PET está sendo estimulada com uma campanha de engajamento, estrelada pelo apresentador Luciano Huck, pela jogadora Marta e pelo líder do MNCR no Rio de Janeiro Tião Santos. Nas três cidades, foram criados postos para coleta das garrafas PET que contarão com o auxílio de cooperativas de reciclagem apoiadas pela Coca-Cola Brasil.