Share |
06/05/2016

Bahia vai instalar condomínio solar para pequenas e médias empresas


Pensamento Verde

Depois de anunciar que pretende abrigar a maior usina solar da América Latina, em Tabocas do Brejo Velho, a Bahia aposta mais uma vez na exploração de fontes renováveis e decide construir o primeiro condomínio solar do estado. A ideia central do projeto foi desenvolvida em 2015, por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal da Bahia.

O condomínio será construído em Bom Jesus da Lapa, entre setembro e novembro de 2016, pela Cosol – Condomínio Solar, que fará o empreendimento. O investimento será de R$ 30 milhões e disponibilizará cerca de mil lotes com tamanhos e potencial de geração de 5, 10 e 33,3 kWp, com a utilização de placas fotovoltaicas.

Esses lotes poderão ser vendidos, alugados ou comprados por pequenas e médias empresas, como academias de ginástica, restaurantes, lojas de shopping, entre outros, de qualquer região do estado, desde que estejam conectadas à rede Coelba.

Com capacidade de 5MW, as empresas que aderirem ao projeto adotarão o sistema de compensação de energia, conforme previsto na resolução 482 da Aneel. Toda energia produzida pelo condomínio será implantada na rede de distribuição, gerando créditos que serão descontados na conta de energia. O desconto no valor da conta de luz pode chegar a 80%.

Em entrevista ao jornal baiano A Tarde, o húngaro Csaba Sulyok, doutorado em energia e ambiente pela Ufa e um dos idealizadores do projeto, disse que, até agosto, o trabalho será focado na captação de clientes. “A construção do condomínio ocorrerá entre os meses de setembro e novembro. Em dezembro iniciaremos a produção de energia.”

Os valor dos lotes vão variar entre R$ 29.990 e R$ 199.990 e poderão ser financiados em até 10 anos em instituições como BNDES, BNB, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

O retorno previsto do investimento ocorrerá em até cinco anos e quem preferir alugar as unidades terá uma economia imediata de cerca de 10% na conta de luz. Sulyok garantiu: “Os créditos gerados por cada lote podem ser utilizados por mais de um imóvel desde que o proprietário seja o mesmo.”