Share |
01/04/2016

Espécie rara de gavião tem filhote em MS e dá esperança contra extinção


Folha de São Paulo

Casal de gavião-de-penacho é monitorado em ninho em Mato Grosso do Sul O gavião-de-penacho ganhou mais um aliado na sua luta contra a extinção. Uma fêmea da espécie de ave que corre o risco de desaparecer teve filhote recentemente. O nascimento ocorreu em Mato Grosso do Sul, em um grupo do animal monitorado pelo Instituto Mamede, que conta com o apoio da ONG WWF-Brasil.

O novo integrante da restrita família de gavião-de-penacho ficou incubada no ovo por 50 dias. Depois disso, o filhote ainda permanece no ninho por cerca de 80 dias. O filhote, então, abandona o ninho, mas segue na região ainda dependente dos pais por pouco mais de um ano.

Considerado um animal raro, o gavião-de-penacho não é visto ao ar livre com frequência e está ameaçado de extinção na Mata Atlântica. A ave consta na lista da União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN). Os pesquisadores têm trabalhado no estudo do animal, pois existem poucas informações sobre seu comportamento.

Assim é um gavião-de-penacho no nascimento, em foto tirada no zoológico de SP A forma encontrada pelos biólogos para descobrir mais sobre o gavião-de-penacho é o monitoramento de ninhos, feitos a partir do período reprodutivo no meio do ano. Foi assim que os cientistas fizeram com o ninho do filhote que acabou de nascer.

O ninho está localizado no Instituto Mamede na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Vale do Bugio, no município de Corguinho, a 120 km de Campo Grande (MS). É nesta mata que o casal de gaviões levará a espécie adiante.